Português English
Contato

Juergen Rochol

+55 51 3308-6815
43425
235
Colaborador Convidado

Qualificações

  • Doutorado em Ciência da Computação (UFRGS, Porto Alegre, Brazil, 2001)
  • 1969-1972 Mestrado em Física
  • 1998-2001 Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação

Áreas de Interesse

  • Comunicação de dados
  • Transmissão de Dados
  • Comunicação de Dados
  • Comunicação de Dadpos
  • Qualidade de Serviço
  • Redes Ópticas
  • Transmissão Óptica

Minibiografia

Nascido em 04 de fevereiro de 1938, em Berlim, Alemanha, o Professor Juergen Rochol cursa os anos iniciais de seu ensino primário na Alemanha, em pleno curso da segunda guerra mundial. Em 1943, vem com toda família para o Brasil, em longa viagem de navio, distanciando-se do ambiente da guerra; seu pai vem buscar trabalho e vida nova no Brasil. A família vai morar no bairro Floresta e o Professor JUERGEN ROCHOL passa a estudar em escolas brasileiras, tendo que aprender a língua portuguesa.

Em 1960, presta exame vestibular para o curso de Engenharia Elétrica da UFRGS, onde cursa 2 anos. Durante estes dois anos, também realizou estudos na área de Engenharia Elétrica em Karlsruhe na Alemanha. Em 1962, devido ao seu grande interesse científico, decide cursar o Bacharelado em Física na UFRGS, curso que concluiu em 1965. Ainda como estudante de graduação, inicia suas atividades de pesquisa como bolsista junto ao Instituto de Física da UFRGS que, nesta época, projetava-se como unidade pioneira da pesquisa acadêmica na Universidade.

Em 1966, é admitido como Professor no Instituto de Física da UFRGS, tendo como seus contemporâneos o ex-Reitor Gerhard Jacob, e os Professores Philippe Olivier Alexandre Navaux, Celso Sander Müller e José Lorenzo Medero. Demonstra grande capacidade na área de física instrumental e, desde cedo, já mostrava imensa capacidade técnica na então incipiente atividade acadêmica de Ciência da Computação na UFRGS, no Instituto de Física como professor e pesquisador até 1975.

Em 1969 inicia mestrado no Instituto de Física, concluindo dissertação e pesquisas na área de Física Aplicada, orientado pelo Prof. John David Rogers. Após concluir o mestrado, em 1972, torna-se um dos professores orientadores do recém-criado Curso de Pós-Graduação em Ciência da Computação da UFRGS (CPGCC), no ano de 1973, que incluía os professores da área de eletrônica e instrumentação do Instituto de Física e os professores da Divisão Acadêmica do Centro de Processamento de Dados que atuavam em programação de computadores.

O Professor Juergen Rochol está entre os pioneiros do Curso de Pós-Graduação em Ciência da Computação da UFRGS, primeiro curso na área do Estado do Rio Grande do Sul, e um dos primeiros cursos da área no país. O CPGCC (hoje Programa de Pós-Graduação em Computação), contava também com outros pioneiros como Celso Sander Müller, Daltro José Nunes, José Lorenzo Medero, José Mauro Volkmer de Castilho, Clésio Saraiva dos Santos, Marcus G. Zwanziger, Paulo Alberto de Azeredo, Philippe Olivier Alexandre Navaux, Sérgio M. Bordini, entre outros acadêmicos de destaque.

Na década de 1970, o Professor Juergen Rochol destaca-se pelo seu pioneirismo, no Rio Grande de Sul e no Brasil, em atividades e inovação e tecnológica. Neste período, projetou e construiu o primeiro MODEM brasileiro - equipamento indispensável em comunicação de dados que foi comercializado pela PARKS Eletrônica. Para isto, trabalho diretamente com o engenheiro formado pela UFRGS, Paulo Renato Ketzer de Souza, então sócio-diretor e fundador da empresa.

Por este feito, o Professor Juergen é conhecido como um dos pioneiros da comunicação de dados no Brasil. O protótipo de um modem de 1.200 bps, desenvolvido pelo professor e pesquisador Juergen Rochol, foi o ponto de partida da PARKS na área de comunicação de dados. Acreditando no projeto, a empresa iniciou um trabalho para transformar o modelo em um produto industrializado. O objetivo era a comercialização no mercado nacional.

Embora tenha sofrido mudanças em relação ao projeto original até chegar à versão final, este MODEM marcou a entrada da empresa no mercado de transporte de dados no Brasil. O desenvolvimento deste equipamento também propiciou o primeiro contrato de transferência de royalties entre a UFRGS e uma empresa gaúcha, ainda na década de 1970. Na opinião de especialistas, o desenvolvimento deste produto também se constitui no marco inicial da indústria de comunicação de dados do Rio Grande do Sul, por ser um produto projetado nos laboratórios da UFRGS, com tecnologia 100% gaúcha e de grande sucesso no mercado nacional.

A partir de 1978, atuou como Engenheiro de Desenvolvimento na empresa Digitel, ao lado dos demais sócios e seus ex-alunos no PPGC: Jaime Barreiro Wagner, Gilberto Soares Machado e Francisco A. Wendt (cuja pesquisa no seu mestrado levou à concepção de outro MODEM, também produzido pela indústria brasileira). Quando deixa a empresa, em 1981, a Digitel já se projetava como líder de mercado no segmento de Comunicação de Dados no Brasil, setor em que segue como referência até os dias de hoje.

A partir de 1981, funda a STI Informática Ltda., onde desenvolveu inicialmente instrumentos eletrônicos para navegação em embarcações, visando prover esses equipamentos para seu hobby de velejador e navegador. Imediatamente também começou a desenvolver diversos projetos na área de Comunicação de Dados e projetos de design de engenharia. Atuou na STI até meados de 1991.

Em 1982, além de sua destacada e pioneira atuação na área de transferência tecnológica e inovação na UFRGS, também se dedica à consolidação de sua área de pesquisa acadêmica. Foi o organizador do 1º Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores (SBRC), evento científico que influenciou toda uma geração de profissionais e se mantém até hoje como um dos maiores eventos da área de Computação no Brasil, reunindo em suas últimas edições, mais de mil participantes.

Como resultado e legado de seu grande conhecimento na área de comunicação de dados e redes de computadores, publicou dois livros na área de Comunicação de Dados, dentro da série de livros didáticos do Instituto de Informática, sendo eles: “Comunicação de Dados” e “Redes de Computadores”, sendo este último em parceria com os Professores Alexandre Carissimi e Lisandro Zambenedetti Granville. Atualmente, o Professor Juergen Rochol está redigindo seu terceiro livro, intitulado "Redes sem Fio", que descreve sua atuação nesta área ao longo de mais de uma década. Além dos livros, tem dezenas de artigos científicos publicados em eventos e periódicos, bem como capítulos em três livros, como convidado.

No entanto, cabe ressaltar que sua maior contribuição talvez seja a imensa capacidade de transformar resultados de pesquisa em produtos tecnológicos inovadores. O Professor Juergen, ao longo de sua trajetória profissional desenvolveu cerca de duas dezenas de produtos tecnológicos em sua área de atuação.

A partir de 1992, atua como pesquisador em tempo integral no Grupo de Redes de Computadores nas áreas de comunicação de dados, redes digitais, redes sem fio e ópticas, junto ao Instituto de Informática da UFRGS.

No ensino de graduação, sempre atuou intensamente dentro de sua área e tem sido sempre um incentivador das atividades de ensino, especialmente na graduação, tanto no curso de Ciência da Computação como na Engenharia da Computação. Além de orientar diversos trabalhos de conclusão de graduação, tem participado ativamente de inúmeras bancas de trabalhos de conclusão de curso. Na pós-graduação, além da atuação docente nestes 20 anos, onde formou direta ou indiretamente profissionais de referência, orientou diversas dissertações de mestrado e teses de doutorado. Foi orientador, também, de professores de grandes contribuições à UFRGS, entre eles Cláudio Walter (Professor Titular do Departamento de Engenharia Elétrica) e Taisy Silva Weber (Professora do Instituto de Informática) e professores que atuam em diversas instituições nacionais e internacionais. Em 2001, concluiu doutorado na modalidade defesa direta de tese, que somente pode ser outorgado, na UFRGS “em caráter excepcional, a candidato com alta qualificação, desde que a proposta seja apresentada pelo Conselho de Pós-Graduação do Programa à Câmara de Pós-Graduação”, conforme decisão normativa da Câmara de Pós-Graduação do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão.

Desde 2003, após sua aposentadoria, é professor colaborador convidado do Instituto de Informática, com atuação intensa e regular nas atividades do Instituto, além de sua participação em bancas de mestrado e doutorado em outras instituições. Embora esteja aposentado, continua a cumprir jornada integral de trabalho, com grande entusiasmo e participação ativa em projetos de pesquisa e orientações.

Muitos de seus orientandos e alunos de graduação e pós-graduação se destacam como professores em universidades do Brasil e do mundo, outros ocupando cargos técnicos e corporativos em empresas de Redes e Comunicação de Dados, tais como DATACOM, PARKS, Digitel, ALTUS, entre outras.

Suas atividades não acadêmicas incluem a dedicação ao esporte naval, mais precisamente às atividades de navegação em barcos veleiros e similares, cuja experiência lhe rendeu a habilitação nacional e internacional de Capitão de embarcações, junto à marinha brasileira. Adepto aos trabalhos voluntários, junto a sua comunidade, participa intensamente de atividades pastorais de sua paróquia, onde sua religiosidade se desenvolve na fé Católica.

O pioneirismo e a liderança acadêmica do Professor Juergen Rochol expressam-se nessas suas múltiplas atividades acadêmicas de ensino, pesquisa, extensão e por sua destacada atuação em inovação tecnológica, tanto na UFRGS quanto na comunidade científica nacional de Ciência da Computação.

Sua imensa capacidade agregadora, notável inteligência, capacidade de trabalho em grupo, didática diferenciada, capacidade de motivar alunos, colegas e servidores técnico-administrativos, sua liderança nacional em pesquisa, em uma época em que a Comunicação de Dados no Brasil dava seus primeiros passos, são predicados de um professor e pesquisador de notável caráter, ética e capacidade, que sempre colocou a Universidade Federal do Rio Grande do Sul e o Instituto de Informática à frente de seus objetivos, desejos e vontades pessoais.