Português English
Contato
Publicado em: 25/06/2020

Pesquisa no INF contribui para o ensino da COVID-19

A pesquisa realizou o mapeamento dos processos de transmissão e contágio entre humanos, identificação e manifestação sintomática da COVID-19.

Em tempos de pandemia, a comunidade acadêmica faz emergir pesquisas fundamentais para entender o comportamento do SARS-CoV-2 e da COVID-19. Além disso, há a necessidade de se identificar semelhanças e variantes do vírus e da doença em comparação a outros similares.

O aluno do curso de Ciência da Computação do Instituto de Informática da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Nicolas Mauro de Moreira Bohnenberger, modelou os  processos de transmissão e contágio de humano para humano do SARS-CoV-2 e os processos de identificação e manifestação sintomática da COVID-19. A pesquisa, cujo objetivo principal é a identificação de similaridades e variantes entre os processos do SARS-CoV-2 e da COVID-19 com outros vírus e doenças, está sob orientação da professora adjunta do INF, Lucineia Heloisa Thom e foi desenvolvida em cooperação com a médica Alessandra Ceolin Schmitt da Mayo Clinic (Scottsdale, Arizona).

As principais contribuições da pesquisa incluem a modelagem e descrição textual dos processos do SARS-CoV-2 e da COVID-19 que poderão ser usados no ensino do vírus e da doença.  Além disso, a identificação de similaridades e variantes entre os processos do SARS-CoV-2 e da COVID-19 com outros vírus e doenças, pode auxiliar no cuidado de pacientes. Finalmente, os modelos de processo poderão ser usados por profissionais da saúde como referência em ambientes remotos.

“A próxima etapa da pesquisa será a modelagem dos processos de transmissão e contágio de humano para humano do SARS-CoV e do MERS-COV, assim como os processos de identificação e manifestação sintomática da SARS e da MERS. A última etapa da pesquisa prevê o uso de ferramentas de mineração processos para a identificação de similaridades entre os vírus e doenças, assim como a possível automação de processos da COVID-19”, comentou a Prof.ª Lucineia.